Medidas de proteção contra choques nas instalações em instalações elétricas de baixa tensão – Parte 5

O termo separação na terminologia de instalações elétricas é sinônimo de isolação, como exemplo, um transformador de separação também é chamado de transformador de isolação.

Na medida de proteção por separação elétrica individual a precondição de proteção básica, no circuito separado, deve ser assegurada por isolação das partes vivas e/ou por barreiras ou invólucros, não se excluindo também com mais razão, a isolação dupla ou reforçada. A norma determina que a proteção supletiva deva ser assegurada pelo preenchimento conjunto das três condições seguintes:

a) separação entre o circuito objeto da medida (circuito separado) e qualquer outro circuito, incluindo o circuito primário que o alimenta, na forma de separação de proteção;
b) isolação (básica) entre o circuito separado e a terra;
c) limitação da carga alimentada (pelo circuito separado) a um único equipamento.

O principio desta medida de proteção é que a fonte que alimenta as cargas está separada (ou isolada) da carga (individualmente, ou seja, só uma carga pode ser alimentada por uma fonte) por uma separação de proteção. A norma determina que uma fonte é considerada provida de separação de proteção, quando atendidas as seguintes condições:

a) um transformador de separação conforme IEC 61558-2-4 e/ou conforme outras normas específicas da série IEC 61558, como a IEC 61558-2-5; ou
b) uma fonte que assegure um grau de segurança equivalente ao do transformador de separação especificado acima, por exemplo, um conjunto motor-gerador adequado.

Outra característica do circuito separado é que as partes vivas do circuito separado (por exemplo, o neutro) não devem ser conectadas, em nenhum ponto, a um outro circuito, à terra ou a um condutor de proteção. Da mesma forma, as partes condutivas acessíveis (massas) do circuito separado não devem ser ligadas a condutores de proteção, a massas de outros circuitos ou à terra.

A norma estabelece especificações que devem ser atendidos os circuitos separados, primeiro os cabos e cordões flexíveis que compõe este circuito devem ser visíveis em todo e qualquer trecho sujeito a danos mecânicos e em toda a extensão do trecho. Preferencialmente um circuito separado deve constituir uma linha elétrica (condutos e condutores) exclusiva, fisicamente separada das linhas de outros circuitos. Caso seja inevitável o compartilhamento de uma mesma linha elétrica pelos condutores do circuito separado e de outros circuitos, a linha deve ser constituída por condutores isolados em conduto fechado isolante ou cabo multipolar sem cobertura metálica (compartilhamento das veias de um cabo multipolar), sendo todos os condutores isolados para a mais alta tensão nominal presente, exigindo-se, ainda, que cada circuito seja protegido contra sobrecorrentes.

Como foi dito a separação elétrica individual é uma medida que é admitida ou mesmo exigida em situações mais pontuais, para compensar dificuldades no provimento da medida de caráter geral que é o seccionamento automático da alimentação. Um exemplo de situação onde a medida é exigida é a proteção contra choques elétricos em alimentação de ferramentas portáteis e de aparelhos de medição portáteis de compartimentos condutivos.

Entende-se por compartimento condutivo um local cujas paredes são constituídas essencialmente de partes metálicas ou condutivas e cujo espaço interno é geralmente limitado, fazendo com que a probabilidade de contato de uma pessoa com as partes condutivas circundantes seja elevada, envolva parte considerável do corpo e, além disso, se dê em circunstâncias nas quais a possibilidade de interrupção desse contato é limitada.

A NBR 5410 estabelece na seção 9.3.2 que trata da alimentação de ferramentas portáteis e de aparelhos de medição portáteis em compartimentos condutivos, que a alimentação de ferramentas portáteis e de aparelhos de medição portáteis deve ser provida com o uso de SELV ou separação elétrica individual. No caso do uso da separação elétrica individual, adicionalmente, deve ser dada preferência ao uso de equipamentos classe II, mas caso seja utilizado um equipamento classe I, este deve possuir pelo menos punhos de material isolante ou punhos com revestimento isolante.

No próximo artigo, o sexto desta série, será apresentada a última medida de proteção contra choque elétrico, que é o uso da extrabaixa tensão.

 

<< Parte 4                         Parte 6 >>

 

Fonte: http://www.voltimum.com.br/articles/medidas-de-protecao-contra-choques-nas-instalacoes-em-instalacoes-eletricas-de-baixa-tens-1

Data: 18/04/2017

Unidade São José dos Campos (12) 3322-7354

Copyright © 2017 - MIOMEGA - Todos os direitos reservados

Produzido por Sites & Cia